fechar

MSN Repórter

O Vooz quer escrever notícias para você e por isso abriu o canal Repórter Vooz onde você entra em contato diretamente com nossa equipe por MSN e participa do Vooz.

  • Sugira assuntos e enquetes;
  • Envie matérias;
  • Complemente com informações, fotos ou vídeos;
  • Tire dúvidas;
  • Tenha seu nome na equipe do Vooz e ganhe visibilidade no mercado;

msn@vooz.com.br


Juscelino da Luz previu tsunami no litoral do Piauí

Publicado em 12/03/2010 às 12h08

Dentre as previsões do Prof. Jucelino Nóbrega da Luz consta uma que trata do tsunami que atingirá o litoral do Piauí.

O litoral nordestino, em especial o trecho que fica acima do estado da Paraíba, pode ser atingido por um tsunami. O alerta é do pesquisador paraibano Paulo Roberto Rosa, especialista em riscos geológicos da Universidade Federal da Paraíba.

Veja a previsão do Prof. Juceslino Nóbrega da Luz:

2013 – De 01 a 25 de Novembro – Nas Ilhas Canárias uma Tsunami de 150 metros matará milhares de pessoas. Esta onda gigante sairá das Ilhas Canárias chegará ao litoral do Brasil em um período de 6 a 8 horas após a sua formação. A onda chegará à nossa costa com altura entre 40 e 50 metros entrando de 20 a 30 km terra adentro. A água atingirá o Nordeste e chegara até a divisa do Rio de Janeiro com Minas Gerais. A região Nordeste será atingida e parcialmente destruída.

Litoral do Piauí será um dos mais castigados com o tsunami

Em entrevista ao Jornal do Comércio, o pesquisador Paulo Roberto Rosa revelou que caso se concretize a erupção do vulcão Cumbre Vieja, nas Ilhas Canárias, prevista pelo cientista Steven Ward, da Universidade da Califórnia, ondas gigantes podem chegar ao Brasil. O vulcão entrou em atividade pela última vez no século 18, e as erupções obedecem a ciclos de aproximadamente 250 anos.

O pesquisador João Adauto de Souza Neto, coordenador do curso de Geologia da Universidade Federal de Pernambuco, alerta às defesas civis dos estados que podem ser atingidos - Ceará, Piauí, Maranhão e litoral norte do Rio Grande do Norte - para que estejam preparadas para informar a população em tempo hábil. “Temos que ter um serviço de informações eficiente para a população. O tempo de antecedência com que se conhece um fenômeno é o principal fator. O serviço de informações poderia ser ao estilo do meteorológico. Isso é o que ocorre em outros países do mundo”, justifica.

Para João Adauto, a defesa civil deve informar à população, o mais rapidamente possível, a possibilidade de erupção iminente nas Ilhas Canárias. “Para isso, precisa passar a acompanhar a atividade desse vulcão, a partir do contato com os pesquisadores que o monitoram.”

Quanto mais rápido for conhecida a iminência de uma erupção, diz o geólogo, melhor. Rápido, nesse caso, são dias ou horas. “A população do Nordeste que habita as áreas costeiras de relevo mais baixo deveria se deslocar para áreas mais elevadas das cidades litorâneas ou do interior. O recomendado é que fiquem em altitudes superiores às alturas das ondas do mar.”Antes de alcançar Fernando de Noronha, a onda gigante atingiria os Estados do Ceará, Piauí, Maranhão e litoral norte do Rio Grande do Norte. “Paraíba está mais susceptível que Pernambuco”, acredita Paulo Rosa. A onda viajará, prevê João Adauto, numa circunferência crescente e em todas as direções, seguindo para a costa leste dos Estados Unidos e Canadá, Caribe, México e América do Sul.



O que você achou dessa notícia?

Avalie aqui:

Média de avaliações

4 votos
Deixe seu comentário pelo facebook:
Deixe seu comentário pelo facebook
Deixe seu comentário: Deixe seu comentário

O comentario não pode ser vazio.


O nome não pode ser vazio.


O email não pode ser vazio.

O Estado não pode ser vazio.

A cidade não pode ser vazia.
Envie essa notícia para um amigo:
Envie essa notícia para um amigo


Exemplo: nome@example.com. Para enviar para mais de uma pessoa, separe os endereços por vírgulas

Informe o seu nome

Informe o seu endereço de e-mail

O comentario não pode ser vazio.
Comunicar erro na notícia:
Comunicar erro na notícia


Informe o seu nome

O email não pode ser vazio.

Descreva o que há de errado com esta notícia