fechar

MSN Repórter

O Vooz quer escrever notícias para você e por isso abriu o canal Repórter Vooz onde você entra em contato diretamente com nossa equipe por MSN e participa do Vooz.

  • Sugira assuntos e enquetes;
  • Envie matérias;
  • Complemente com informações, fotos ou vídeos;
  • Tire dúvidas;
  • Tenha seu nome na equipe do Vooz e ganhe visibilidade no mercado;

msn@vooz.com.br


Bater nos filhos não educa, confirma a ciência

Publicado em 13/04/2012 às 15h50
ciência parece bater o martelo sobre essa antiga discussão: castigos físicos não educam.

Pesquisas diversas mostram uma ligação direta entre as formas de punição e problemas na vida adulta, como depressão, ansiedade e vícios.

Para chegar a essa conclusão, os métodos mais utilizados por esses estudos foram os prospectivos, em que crianças com níveis de agressão são analisadas e, posteriormente, observadas, com base na progressão do comportamento.

Um dos estudos que se destaca é o dos canadenses Ron Ensom e Joan Durrant, da Universidade de Manitoba e do Hospital Infantil de Eastern Ontario, respectivamente. Os cientistas analisaram 36 mil pessoas durante 20 anos. Conclusão: nenhuma punição física tem efeito positivo – a maior parte tem, na verdade, efeitos negativos.

No que diz respeito às palmadas, os melhores estudos foram feitos nos Estados Unidos e indicam o que todos já sabem: que as crianças menores – de dois a cinco anos – são as que mais sofrem tais castigos. “Nos EUA, quase todas as crianças da pré-escola levaram palmada”, conta Ensom. “Provavelmente porque são ativas e inquisitivas, e têm compreensão limitada de perigo ou das necessidades dos outros”.

A opção correta seria, então, utilizar da disciplina positiva, que é o uso da autoridade, mas sem violência. Segundo George Holden, da Universidade Metodista do Sul, em Dallas, Texas, nos EUA, bater na criança só a ensina a usar a agressão. “Alguns pais batem em crianças mais velhas, talvez 10%, e alguns continuam a usar o castigo corporal em adolescentes”, explica Holden.

Quem apanha mais?


O brasileiro apanha muito na infância ou na adolescência, mas os americanos apanham mais, segundo pesquisa de 2010, realizada com 4.025 pessoas com mais de 16 anos em 11 capitais do país.

Ela revelou que 70,5% sofreram alguma forma de castigo físico quando jovens. Nos EUA, a porcentagem passa dos 90% – e fica em torno dos 10% na Suécia, segundo o cientista social Renato Alves, pesquisador do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (USP).

O tema é polêmico e diz respeito não só à área dos direitos individuais mas também da intromissão do Estado na vida privada. Existem pais que defendem o direito de disciplinarem seus filhos da maneira que bem entenderem. Mas defensores dos direitos humanos não sustentam de completo essa atitude. E, claro, há o fato de o Brasil ser signatário da Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança.

Dos brasileiros que afirmaram ter apanhado, 42% dizem ter apanhado pouco e 11,4% levavam tapa quase todos os dias. O mais comum era levar palmada (40,1%), apanhar de chinelo (54,4%) ou de cinto (47,3%). Só uma minoria corria riscos maiores ao apanhar de pau ou objetos semelhantes (12,2%). Os percentuais passam de 100% porque os pais variavam a forma de castigar seus pupilos.

Fonte: Hype Science

Edição: Ester Sousa

Contato: redacao@vooz.com.br

Keywords: universidade, país, direitos, crianças, estudos


O que você achou dessa notícia?

Avalie aqui:

Média de avaliações

0 votos
Deixe seu comentário pelo facebook:
Deixe seu comentário pelo facebook
Deixe seu comentário: Deixe seu comentário

O comentario não pode ser vazio.


O nome não pode ser vazio.


O email não pode ser vazio.

O Estado não pode ser vazio.

A cidade não pode ser vazia.
Envie essa notícia para um amigo:
Envie essa notícia para um amigo


Exemplo: nome@example.com. Para enviar para mais de uma pessoa, separe os endereços por vírgulas

Informe o seu nome

Informe o seu endereço de e-mail

O comentario não pode ser vazio.
Comunicar erro na notícia:
Comunicar erro na notícia


Informe o seu nome

O email não pode ser vazio.

Descreva o que há de errado com esta notícia